Professores do RS entram em greve e estudantes ocupam escolas

13241128_728169693989287_6722834737028870699_nOs educadores da rede estadual de ensino do Rio Grande do Sul decidiram entrar em greve em assembleia realizada no último dia 13 de maio. A categoria luta contra a precariedade no ensino, que só se aprofunda com a política de rebaixamento de direitos aplicada pelo governador José Ivo Sartori (PMDB).

Indo no mesmo sentido da luta e para manifestar apoio à greve, os estudantes do Rio Grande do Sul também estão ocupando escolas por melhorias na educação e com uma pauta e que converge com as reivindicações dos professores. Até esta sexta (20) são cerca de 150 instituições ocupadas com a exigência de mais verbas para merendas mais investimento na estrutura das instituições.

13263886_728028004003456_7015737688709079483_nA professora e também integrante da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, Neida Oliveira, reforça que as ocupações foram um importante impulsionador para que a greve avançasse e se fortalecesse. “Nosso trabalho é tentar fortalecer a greve e apoiar as ocupações que tem uma meninada com muita vontade e que se espelharam em outras ocupações pelo país, sobretudo, Rio de Janeiro”, reitera.

“Os alunos se auto-organizaram e decidiram ocupar a partir de uma situação insustentável nas escolas, com falta de coisas básicas como papel higiênico chegando até a pauta mais especificas dos professores. Hoje temos cerca de 50% de adesão à greve que cresce a cada dia assim como o aumento das ocupações, uma luta fortalece a outra”, finaliza.

Reivindicações

Parcelamento e atraso nos salários e no 13° terceiro, além do não pagamento do piso que já está defasado em quase 70% são alguns dos motivos listados pelos educadores para fazer a greve.

O corte e congelamento dos salários e o sucateamento das escolas, fruto do ajuste fiscal, foram também outros elementos decisivos para que a indignação dos professores ganhasse peso e se transformasse em mobilização.

Como parte desse pacote, o governo ainda ameaça com a tentativa de privatizar as escolas públicas por meio da contratação de organizações sociais. Isso já acontece em hospitais públicos e só provoca mais precarização, com aumento da terceirização e rebaixamento de salário. Quer ainda tentar impor goela abaixo o PL 257 que em síntese condiciona a renegociação da dívida dos estados com a União com a retirada de direitos dos servidores.

Fonte: CSP-Conlutas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s